Cirro, Sócrates, Partícula, Decibel, Furacão, Golfinho, Tulipa

Certo dia conversava com um aluno sobre as mudanças causadas em nossa vida pela evolução das novas tecnologias. Calma! Antes que vocês se desesperem, deixo bem claro que não vou aqui versar sobre os mesmos temas recorrentes na esfera webística, quais sejam, o crescimento exagerado no número de blogs, a banalização do orkut, a orkutização do Twitter, entre outros….

Quero aqui expressar minhas confabulações sobre algo muito mais singelo e presente na vida de todos nós (ainda que para alguns seja mais um desejo do que uma realidade). Vou aqui falar sobre as diferenças que as novas tecnologias causaram no amor. Nas formas de se amar. Na maneira de se expressar esse amor. E, mais exatamente ( e é aqui o ponto aonde quero chegar) no término desse amor.

Sempre uma situação dolorosa, o fim de qualquer relacionamento amoroso, independente de duração ou intensidade, é sempre algo que leva a um maior conhecimento pessoal e demanda (algumas vezes) um período de recolhimento e ‘auto-preservação’.

Normalmente esses momentos se dão na hora do recolhimento dos espólios. Coisa com a qual as mulheres estão bem mais acostumados do que nós homens. É aquele momento em que, recolhida em seu canto ela junta todas as fotos, todas as cartas de amor, os bilhetes, alguns presentes……enfim, tudo o que posso lhe fazer lembrar daquele relacionamento ou da outra parte presente nele.

Antigamente esses momentos levavam a um bom número de papéis espalhados pelo chão, muitos álbuns com fotos retiradas, algumas lágrimas e, no final uma bela caixa de sapato amarrada com fita e tudo dentro!!! Hoje em dia esse ‘romantismo’ acabou. Limitamo-nos a separar os e-mails e as fotos digitais em um singelo arquivo que será depois gravado em algum CD jogado no fundo de qualquer gaveta ou então, em casos mais extremos, será ‘absorvido’ pelo pressionamento de uma única tecla: DELETE

Talvez por isso os relacionamentos hoje estejam mais efêmeros. Mas, talvez por isso também, eles tenham ficado mais intensos. Isso depende da interpretação de cada um. E você, o que acha?? (Homem do Cafezinho)

Anúncios
Published in: on maio 14, 2009 at 3:38 pm  Comments (2)  

The URI to TrackBack this entry is: https://frapedecapuccino.wordpress.com/2009/05/14/cirro-socrates-particula-decibel-furacao-golfinho-tulipa/trackback/

RSS feed for comments on this post.

2 ComentáriosDeixe um comentário

  1. particularmente acho que só faz sentido quando é real ou pelo menos vontade de torná-lo). mas é mesmo só minha opinião.

  2. […] Cirro, Sócrates, Partícula, Decibel, Furacão, Golfinho, Tulipa […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: